Freguesia de São Mateus Vila da Praia

  • São Mateus é uma freguesia açoriana do concelho de Santa Cruz da Graciosa, com 12,56 km² de área e 836 habitantes (2011), o que corresponde a uma densidade populacional de 66,6 hab./km². A freguesia ocupa o extremo sueste da ilha Graciosa, instalada ao longo do vale que separa o maciço da Caldeira do resto da ilha. Apesar da freguesia ter o nome oficial de São Mateus, é em geral designada por Praia, nome histórico do concelho de que foi sede. No território desta freguesia, constituindo a sua povoação principal, situa-se a Vila da Praia, a antiga vila sede do concelho. O porto comercial situa-se igualmente na Vila da Praia sendo vulgarmente designado como Porto da Praia. Em Frente à vila situa-se o ilhéu da Praia, importante reserva natural e zona de protecção especial para as aves marinhas. No interior da freguesia situa-se uma caldeira de grande beleza, a Caldeira da Graciosa, na qual se situa a Furna do Enxofre, uma cavidade vulcânica de grandes dimensões que contem uma lagoa subterrânea

 

 

Território e estrutura urbana

 

A freguesia de São Mateus, tal como as demais povoações da Graciosa, tem uma estrutura de povoamento que, apesar da sua dispersão aparente, é fortemente condicionada pela rede viária. Este povoamento "disperso orientado",6 típico de zonas de colonização recente como os Açores, levou a que a estruturação urbana da região sueste da Graciosa, no território da hoje freguesia de São Mateus, se tenha desenvolvido ao longo de três ramos, correspondentes às estradas que afluíam à Vila da Praia, ainda hoje o seu centro. Assim, surgiram, na antiga estrada que pelo Quitadouro vinha de Santa Cruz, os lugares da Lagoa e Rochela; ao longo da via que para sul se dirigia à Luz e ao Carapacho, os lugares de Fonte do Mato e, já na fronteira com a Luz e apenas parcialmente no seu território, o lugar de Pedras Brancas e finalmente, na estrada litoral, a sul da vila, o lugar de Fenais.

Assim, a freguesia de São Mateus é composta pelos seguintes lugares:

Vila da Praia, o seu mais importante centro urbano e o segundo lugar mais importante da ilha, com características marcadamente urbanas, com um traçada clássico de vila açoriana, hoje incluindo, dada a construção do porto comercial e a expansão urbana para norte, a Rochela (ou Arrochela) e Lagoa. Nesta vila localizam-se os principais imóveis da freguesia, com destaque para o quarteirão instalado ao longo da antiga muralha de protecção costeira e em torno da Igreja Matriz de São Mateus, a Igreja da Misericórdia, a Ermida de Santo António, a Ermida de Nossa Senhora da Guia, a Ermida de Santa Ana da Lagoa e as ruínas da Ermida de São Miguel. Na Canada de Santana, na Lagoa, localiza-se a Casa dos Capitães- Mores, imóvel classificado como de interesse municipal pela Resolução n.º 147/95, de 10 de Agosto. O império da Senhora da Guia, ligado aos pescadores, mantém uma irmandade do Divino Espírito Santo muito ativa. No alto do Monte de Nossa Senhora da Saúde localiza-se a Ermida de Nossa Senhora da Saúde.

Fenais, no prolongamento natural da Vila da Praia para sul, uma pequena povoação litoral empoleirada sobre a falésia costeira, que devido ao recuo do litoral teve de sofrer recentes obras de protecção costeira, mas que ainda assim deixaram alguns habitações sobre taludes de estabilidade duvidosa. À entrada do lugar, mas fazendo ainda parte do núcleo urbano da Vila da Praia, localiza-se o Império do Espírito Santo de Nossa Senhora dos Remédios, construído em 1933 (quando teve de mudar de lugar para dar passagem à nova estrada de acesso aos Fenais) no local da Ermida de Nossa Senhora dos Remédios dos Fenais, que datava de 1773.

Fonte do Mato, o segundo núcleo urbano mais importante da freguesia, onde se destaca a Ermida de Santa Quitéria, localmente conhecida por Igreja de Nossa Senhora do Livramento.

Pedras Brancas, com a adjacente Canada Longa, um povoado dividido entre as freguesias de São Mateus e a freguesia da Luz, de razoáveis terras agrícolas, que se tornou conhecido pela homónima série televisiva. O lugar, embora maioritariamente na freguesia da Luz, faz parte do hinterland da Vila da Praia, estando polarizado sobre aquela localidade e sobre o lugar da Fonte do Mato. Teve até 2006 escola própria, sita no limite da freguesia da Luz, mas servindo também alunos da freguesia de São Mateus. Tem o seu Império do Divino Espírito Santo e vida comunitária própria.

Rebentão da Lagoa

A freguesia de São Mateus abrange no seu território a Caldeira da Graciosa, uma caldeira vulcânica que tem no seu interior a Furna do Enxofre e o sua lagoa subterrânea. É um monumento natural, de grande beleza cénica, com uma cumeeira oval, com um perímetro de 3 870 m, encerrando uma caldeira de estrutura complexa com cerca de 200 m de desnível entre a parte mais alta das suas paredes a sua zona central.

A Caldeira é o resultado de uma vulcão basáltico, do tipo central, cujo topo se afundou parcialmente, formando a caldeira e a furna existente no seu interior. O cone do vulcão é nitidamente dissimétrico no sentido do comprimento da ilha, com o bordo sueste a atingir os 405 m acima do nível médio do mar, a maior altitude da ilha Graciosa. O bordo noroeste não atinge os 250 m de altitude.

A caldeira segue a dissimetria do cone vulcânico, tendo uma forma elíptica, aparentemente resultado da intercessão de duas caldeira formadas em períodos distintos mas muito próximos, com aproximadamente 1 500 m de cumprimento ao longo do seu eixo maior (NO-SE) por cerca de 700 m de largura ao longo do eixo menor.7 As paredes são íngremes, constituídas por altas falésias irregulares marcadas por grandes blocos basálticos soltos, alguns com sinais de disjunção prismática, e muitos constituindo depósitos detríticos de encosta, sinal de grandes derrocadas ocorridas ao longo da história geológica do local.

O fundo da caldeira é muito acidentado, tendo bem saliente um pequeno alto, com cerca de 100 m de diâmetro e mais de 50 m da altura acima dos terrenos circundantes, denominado Morro da Ursa (corruptela de Morro da Urze). José Agostinho8 afirma que a Caldeira da Graciosa é uma das formações vulcânicas mais interessantes dos Açores, tendo sido formada quando uma coluna de magma fluido ascendeu ao longa da chaminé, formando uma massa lenticular que entrou em recessão quando a pressão diminuiu no interior do sistema. Como a parte exterior já tivesse consolidada, particularmente nos seus bordos, o recuo da lava para o interior da chaminé deixou uma estrutura irregular em funil, com uma inclinação de cerca 40º em direcção ao centro. No centro da estrutura, a superfície arrefecida da lava consolidou-se, separando-se do interior fluido que continuou a descer, formando a abóbada da Furna do Enxofre. A retracção levou a que o nível da lava descesse mais cerca de 95 m até consolidar, deixando a abóbada a 50 m acima da superfície da lagoa que tem hoje uma profundidade máxima de cerca de 15 m (embora esteja a decrescer), fruto da redução da alimentação do aquífero e da crescente extracção de água no aquífero basal da ilha.

O Morro da Urze foi interpretado pelo vulcanologista Immanuel Friedländer (1871-1948)9 como sendo uma cúpula deixada numa zona onde a lava arrefecera mais depressa. O pequeno cone existente a seu lado, corresponde a uma estrutura de desgasificação, responsável pela continuada perda de pressão no interior da coluna lávica.

O tecto da gruta, formado por uma camada contínua de basalto, já deixou cair grandes blocos, que agora juncam o fundo da cavidade. Na zona de maior desgasificação, junto à sulfatara, existe uma zona fissural, que se prolonga para o exterior, e parece estar associada à emergência junto à costa da água termal aproveitada pelas Termas do Carapacho.

O interior da caldeira é acessível por estrada, através de um túnel construído entre 1952 e 1953. Tal possibilita a fácil visita à Furna do Enxofre, uma cavidade vulcânica recoberta por uma abóbada basáltica com cerca de 50 m de altura. No seu interior, existe uma pequena lagoa de águas cristalinas e uma pequena sulfatara, com lama, de onde emana um forte cheiro a enxofre, o que deu o nome ao local.

O acesso ao interior da gruta é feito através de uma abertura natural na abóbada, através da qual foi construída uma grande torre em alvenaria de pedra, com cerca de 37 m de altura, no interior da qual existem 183 degraus, ligando diversos patamares com varandas abertas sobre a gruta. A torre, obra do mestre pedreiro Carlos Sebastião, com projecto de Manuel Severo dos Reis, foi inaugurada a 30 de Julho de 1939. No local foi inaugurado em 5 de abril de 2010 o Centro de Visitantes da Furna do Enxofre que apresenta instalações em equilíbrio paisagístico e estético com a envolvente, que permite uma interpretação e a compreensão dos processos vulcânicos que deram origem à Furna do Enxofre, à Caldeira e também da ilha Graciosa.

 

Freguesia de São Mateus Vila da Praia 2020

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now